Cooperativa que fortalece outras cooperativas

A conscientização de catadores sobre a importância de comercializar “o fruto do trabalho” a preços justos é uma das vitórias obtidas pela Cooperativa Central do ABC (Coopcent), de Diadema (SP). Ela foi criada em 2007 com a finalidade de fortalecer as cooperativas de reciclagem existentes nos municípios do ABC paulista, na região metropolitana de São Paulo. Para tanto, ela substituiu o atravessador como maior cliente desses empreendimentos.
Elizabete de Jesus Rocha, assessora técnica da Unisol Brasil, explica que há poucos anos, a maioria dos grupos estava formalizada na forma de associação, o que era um problema, pois esse tipo de empreendimento não pode comercializar. “Mas isso acontecia por serem grupos pequenos, sem musculatura para se manterem em forma de cooperativa”, afirmou.
Outra questão era a falta de consciência política, pois num primeiro momento, as cooperativas continuavam a vender para o atravessador e aceitavam receber valores bem inferiores. A necessidade de obtenção de renda imediata era a grande culpada. “Hoje eles estão mais conscientes de que devem vender para a cooperativa central, que paga um preço melhor porque consegue negociar a preços mais vantajosos com os compradores”, afirma.
A Coopcent consegue vender com preço mais alto porque ao juntar o material reciclável das oito cooperativas de catadores participantes do sistema, ela passa a ter grande escala para oferecer às empresas compradoras. Ao vender com preço bom, ela também pode pagar um valor melhor.
Agora, o desafio passa a ser agregar valor. Os catadores recolhem, separam e vendem o material reciclável para a indústria, que transforma essa matéria-prima em algum tipo de produto. “É aí que está o filé. Temos que nós mesmos dominarmos o processo de transformação. Não é fácil, precisamos de máquinas, treinamento e, claro, dinheiro para isso. Mas aos poucos chegamos lá”, disse Elizabete.

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM