Festival da Cajuína agita o Piauí de 24 a 26 de agosto

20046285_816184581890624_5502860535602061479_nOficinas, palestras e apresentações artísticas estão entre as atrações do 5º Festival da Cajuína, que acontece na capital do Piauí, no Shopping Riverside, no fim de agosto. Realizado pela Cooperativa dos Produtores de Cajuína do Piaui (Cajeuspi) com apoio das Secretarias de Desenvolvimento Rural e de Cultura do estado do Piauí e parceiros como Sebrae, Senai, Senac, Emater, Codevasp e UNISOL Brasil, o evento já acontece há alguns anos e tem como objetivo promover a cajuína e todo o trabalho que vem sendo feito pela cajacultura no estado, dando visibilidade aos produtos e à cadeia de produção.
“O Festival da Cajuína é uma fonte de divulgação do nosso produto e uma forma de mostrar para as pessoas a qualidade desse produto. A produção de cajuína aumentou muito depois do primeiro festival, de 2009, e de lá pra cá vem crescendo em torno de 20%. Pessoas fabricando a cajuína, todo mundo interessado em fazer uma cajuína melhor, com mais qualidade. E o Festival também traz o produtor para se capacitar, assistir palestras, realmente melhorar cada vez mais a qualidade dos seus produtos”, define Lenildo de Lima e Silva, presidente da Cajuespi e da Câmara Setorial do Caju.
A Cajuespi foi fundada em 2005 e hoje conta com 120 fábricas de cajuína cooperadas e mais de 2.700 pessoas da agricultura familiar. Em 2016 foram produzidas 980 mil garrafas da bebida e para esse ano a expectativa é chegar a um milhão e 300 mil garrafas. “A cajuína é uma fonte de renda para a economia local. Como também o caju, porque da cajuína nós tiramos o bagaço e trabalhamos fazendo doces e comida”, diz Lenildo.
Patrícia Vasconcelos Lima, Superintendente da Agricultura Familiar da Secretaria de Desenvolvimento Rural do estado do Piauí (SDR), destaca o apoio da Câmara Setorial de Cajucultura do Piauí, que reúne órgãos estaduais, empresas privadas e produtores e tem contribuído bastante na realização de todas as edições do Festival.
“Esse evento é um momento importante, onde são discutidos temas fundamentais – não apenas a questão da capacitação, mas os próprios rumos da cajucultura no Piauí. Tivemos nos últimos anos uma diminuição considerável da área plantada de caju no estado, devido ao período de estiagem que aconteceu nos últimos anos. A SDR, juntamente com a Câmara Setorial de Cajucultura e outras entidades, tem realizado um trabalho de distribuição de mudas de Caju Anão Precoce, com prioridade para essas áreas que foram atingidas pela seca e tiveram perdas consideráveis dos espaços plantados. O Piauí tem uma produção considerável de caju, a cajuína é um patrimônio brasileiro, mas também um patrimônio aqui do Piauí, e o Festival, além dessas discussões, desses rumos, também ajuda a divulgar os produtos da cajuína aqui do estado”, define Patrícia.
Bebida genuinamente piauiense, a cajuína foi registrada como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e recebeu o selo de Indicação de Procedência, espécie de indicação geográfica que reconhece reputação, qualidades e características ligadas ao local de origem. A bebida é vendida em mercados do Piauí e Ceará, e também para outros estados como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Maranhão e Bahia.
Durante o Festival acontecem oficinas de licor e receitas com caju, produção de cajuína, culinária do caju, produção de mudas e doce de caju, além de atrações artísticas, palestras e painéis. O presidente da UNISOL Brasil (Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários), Leo Pinho, fará uma palestra sobre Cooperativismo e Empreendimentos Solidários no dia 25/08, a partir das 10h.
“O Festival da Cajuína é um evento que contribui para ampliar a visibilidade da cajuína e de todos os outros produtos originados nessa cadeia produtiva no estado do Piauí, destacando a produção realizada pelo cooperativismo solidário. A nossa presença no Festival irá também disparar o processo de organização da UNISOL Piauí”, diz Leo Pinho, presidente da UNISOL Brasil.
Confira a programação:
# 24/08
10h às 14h – oficinas interativas de Licor de Caju e de Receitas de Caju
15h – oficinas interativas de Produção de Mudas de Caju e de Culinária do Caju
16h – palestra “Perspectivas da Cajacultura”, com Wagner Juca, e “Regulamentação da produção e comercialização de bebidas”, com Adriana Chagas Barreto (Ministério da Agricultura)
17h – oficina interativa Delícias do Caju
18h – oficina interativa de Doce de Caju, apresentação artística de Gonzaga para Todos e da Banda de Música PM/PI
20h – Amauri Jucá
#25/08
10h – oficinas interativas de Produção de Cajuína, Culinária do Caju e Produção de Mudas do Caju. Palestra “Cooperativismo e Empreendimentos Solidários”, com Leo Pinho (UNISOL Brasil)
14h – oficina de Receitas de Caju
15h – palestra “A Cajuína sem Gelatina”, com Fernando Abreu (EMBRAPA/CNPAT/SEBRAE), oficinas interativas de Produção de Mudas de Caju e Doce de Caju
16h – painel “Muda de Caju: Inovação ou Tradição?, com Paulo Roberto e Luis Eduardo, e palestra “Legalização da Produção de Mudas de Caju”, com Alonso da Mota Lamas (Ministério da Agricultura)
17h – atrações artísticas: Grupo de Flauta Música p/Todos e Banda de Música do IFPI
19h – oficina interativa de Produção de Cajuína e apresentação do Balé da Cidade
20h – atrações artísticas
#26/08
10h – oficinas interativas de Produção de Cajuína, Produção de Mudas de Caju e Culinária do Caju
15h – oficinas interativas de Doce de Caju e Delícias do Caju
16h – palestra “Movendo o Mundo através de ideias: aprendera empreender”
17h – atração artística: Orquestra Sanfônica – Música para Todos
19h – atrações artísticas, escolha da Garota Cajuína, sorteio de kit de irrigação para produtores de caju e escolha da melhor cajuína
20h – encerramento

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM