Intercâmbio mostra novas técnicas de soldagem

Wanderson Luis Batista (terceiro da esquerda para direita agachado) conheceu novos processos de soldagem

Wanderson Luis Batista (terceiro da esquerda para direita agachado) conheceu novos processos de soldagem


Wanderson Luis Batista, vice-presidente da Cooperativa de Produtos Metalúrgicos de Mococa (Copromem), participou entre os dias 15 e 18 de outubro de um treinamento na fabricante de máquinas de solda Miller, nos Estados Unidos. Durante o intercâmbio foram apresentadas as novas técnicas e equipamentos de processo de soldagem que em breve estarão no mercado.
Entre as tecnologias está o tratamento térmico superficial, que consiste no pré e no pós-aquecimento do material a ser soldado. “Isso é importante. Suponhamos que a solda seja feita em material com alto teor de carbono. Sem o pré-aquecimento, ele pode apresentar micro-trincas quando o equipamento estiver em campo”, explica.
Hoje, esse trabalho de pré e pós-aquecimento é feito com maçarico lança-chamas. A tecnologia desenvolvida pela Miller consiste no uso de cabos de corrente elétrica com polaridades invertidas. Entre a peça e os cabos é colocada uma manta térmica com a finalidade de segurar o calor, além de servir como isolante.
Batista também teve contato com soldagem com uso de robôs e com uma tecnologia que permite integrar as máquinas de solda ao sistema do empreendimento. Dessa forma, é possível acompanhar o processo fabril simultaneamente ao seu acontecimento. “Se a máquina parar de funcionar, automaticamente os gestores ficam sabendo. Dá para acompanhar de qualquer parte do mundo, por meio de um aplicativo no celular”.
Segundo o vice-presidente da Copromem, os sistemas apresentados ainda estão em fase de testes para homologação. Mas a cooperativa tem a intenção de adquiri-los assim que forem disponibilizados no mercado. “Todas as técnicas aprendidas lá nos Estados Unidos nos dão um diferencial em relação ao que é praticado pela concorrência hoje no Brasil. Sem contar que, quando você automatiza uma linha de produção, a produtividade aumenta”.
No que diz respeito ao mercado, a iniciativa de participar de intercâmbios como este também mostra o grau de modernidade e comprometimento da Copromem com a qualidade do que faz. “Para nós é importante porque demonstra que a Copromem tem posição estabelecida no mercado brasileiro. No lado técnico, estamos sempre informados do que há de mais moderno”, afirmou Pedro Luiz de Souza, presidente do empreendimento.

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM