Presidente da Unisol Brasil e cooperadas comentam a Formação de Lideranças

20141125_095318

Arildo Mota ressaltou a importância do trabalho de Formação de Lideranças da Unisol Brasil, porque o interesse em realizar e nos temas destacados.

Em entrevista, Arildo Mota, presidente da Unisol Brasil, destacou pontos importantes da Formação. “No Brasil ainda é difícil obter recursos para um trabalho de formação política. O que temos hoje é o direcionamento das verbas para encontros regionais, seminários e exposições. O que é estratégico dessa Formação foi a provocação ocorrida há algum tempo, pela Nexus, para que fizéssemos formação política na nossa base de cooperados afiliados. O que estávamos tentando fazer eram os encontros setoriais, onde tratávamos do tema de um setor específico. Na primeira parte, ocorrida em agosto deste ano, convidamos pessoas que estavam envolvidas com a Economia Solidária, para ajudar às cooperativas a se posicionarem no sistema capitalista. É importante os dirigentes de cooperativas brasileiras saberem se posicionar perante a conjuntura brasileira, do Mercosul e mesmo mundial. Também discutimos a saúde e a segurança do trabalhador, temas aos quais nossos parceiros italianos nos cobram bastante. Estes temas precisam mostrar aos cooperados como fazer a autogestão cumprindo as normas de qualidade de vida nos empreendimentos solidários. Não conheço outra representação brasileira de cooperados que tenha esta preocupação, acredito que a Unisol Brasil esteja na vanguarda na discussão das questões de segurança para o trabalhador cooperado.

Já o segundo módulo da Formação mostra que precisamos discutir a questão de gênero como sujeitos e seres humanos, mesmo muitas vezes não admitindo que somos uma sociedade predominantemente machista. Queremos que esta temática oriente as discussões as quais precisamos ir amadurecendo para o próximo Congresso da Unisol. Existem outras temáticas importantes também, por exemplo, a inserção e formação de jovens na Economia Solidária. Pelos comentários e avaliações de cada módulo que fizemos, estamos no caminho certo.

Acho que a Unisol Brasil precisa fazer discussões nos entes federativos para ampliar a formação política, sócio-econômica e ambiental dos Empreendimentos Econômicos Solidários, para ampliar horizontes e obter novas parcerias. Avalio de forma positiva as nossas ações e aprecio as críticas construtivas que nos ajudem, muitas vezes até com um olhar “de fora” que percebe coisas que não vemos. Temos perspectivas de dar continuidade e aumentar a participação de dirigentes e cooperados, que hoje envolve 40 cooperativas afiliadas”, concluiu.

Neli de Souza, parte da Redesol, rede de cooperativas de reciclagem de Minas Gerais, é afiliada da Unisol desde a fundação da entidade e já nesta época pleiteava a realização de uma formação política. “Por meio da Unisol, conseguimos, anos atrás junto ao Sindicato dos Eletricitários (Sindieletro) de Belo Horizonte, um curso de Formação Política e vimos ser possível envolver os EES e os sindicatos nestas ações. Mostramos o nosso interesse para a Sandra Pareschi, da Nexus, e a Luciana Cortez, do Instituto Camilo Filho, de Minas e elas nos ajudaram na articulação. No primeiro módulo acho que o ideal seria termos mais cooperados participantes, mas sabemos das limitações de verba. O segundo módulo gostei mais ainda, pela discussão de igualdade de gênero, pois nos ESS, tirando a área de metalurgia, boa parte é formada na maioria por mulheres”. Ela comenta sobre a constatação da realidade de alguns países da Europa e os sérios problemas decorrentes da crise: “Foi muito triste saber o que está se passando no cotidiano dos trabalhadores europeus, com a perda de empregos, ou de direitos e aumento da jornada de trabalho. Pelo fato dos italianos terem sido nossos primeiros parceiros na Coopersoli. Hoje eles querem que nós os ajudemos, o que é uma forma de retribuirmos. Me chamou a atenção a apresentação do Canadá, quando mencionaram recursos de US$ 1 milhão que a entidade destina aos projetos de EES de lá”. E a constituição da EBPS com o Alexandre Antonio é algo de muito alegria, pois ele é um técnico que sempre vestiu a nossa camisa, ele parece um cooperado e não um técnico de tanto que se envolve no apoio aos EES”.

Valdineia Adriana, da Associação Raio de Luz (Cultura Cooperluz à partir de dezembro de 2014), de São Bernardo do Campo, especializada em triagem de materiais recicláveis há 15 anos e afiliada desda a fundação da Unisol Brasil, deu o seu depoimento. Adriana achou ótima a discussão de gênero apresentada, levando em consideração que na área de reciclagem a maioria dos EES são constituídos por mulheres. E cita o fato de termos uma mulher presidente, agora em segundo mandato, como inspirador e encorajador dessa liderança feminina. “Temos que assumir esta liderança, estar presentes nos principais cargos, e acho que somos até melhores que os homens”! Perguntada se identificou alguma novidade no evento, Adriana pontuou sobre as palestras feitas pela Nexus e a CGIL, que evidenciaram detalhes do dia a dia das dificuldades enfrentadas pelos europeus que sofrem as consequências da crise econômica. “Apesar dos problemas, alguns que são comuns aos dois países, Itália e Brasil, eu gostei deles terem mostrado aspectos que podemos reproduzir aqui na prática de autogestão dos EES e em outras instâncias da sociedade, inclusive práticas mencionadas pelos convidados do Canadá”, finaliza. Adriana não esteve presente no primeiro módulo da Formação, em agosto, mas aproveitou ao máximo esta segunda parte.

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM