Regionalidade e Economia Solidária são debatidas no 7º Congresso

A plenária sobre Regionalidade, realizada nesta quinta-feira (4), aprovou um conjunto de ações para fortalecer a presença dos trabalhadores na definição dos projetos e das políticas públicas que garantam desenvolvimento econômico e social no ABC.
“O que caracteriza um Sindicato Cidadão é sua participação nas discussões além da fábrica apresentando propostas, debatendo e encaminhando definições que melhorem a vida da população”, disse Nelsi Rodrigues, o Morcegão, diretor executivo do Sindicato que comandou a plenária.
Em sua maior parte, as propostas de ação têm caráter econômico, visando a constituição de um parque tecnológico que recoloque o ABC entre as regiões com maior capacidade de crescimento e distribuição de renda do País.
As ações e articulações do Sindicato também devem levar as demandas dos trabalhadores nos fóruns sobre saúde, segurança, educação e meio ambiente.
“O Sindicato tem tradição de encaminhar discussões com entidades e governos desde a década de 80, participando do Fórum da Cidadania, da Câmara Regional, da Agência de Desenvolvimento e também do Consórcio Intermunicipal”, lembrou Morcegão.
O secretário executivo do Consórcio, o economista Luís Paulo Bresciani, destacou a importância de a sociedade participar do Conselho Consultivo da entidade.
“Ele deve ser a voz da população junto aos prefeitos da região, pressionando e dialogando para definir as prioridades e construir as políticas públicas regionais”, comentou.
Economia Solidária
Também na quinta, a plenária temática de Economia Solidária aprovou ações para fortalecer os laços entre o Sindicato e os empreendimentos de economia solidária.
Essas iniciativas foram representadas pela Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários, a Unisol. Fundada no final da década de 90 por trabalhadores para enfrentar a crise econômica daqueles anos, hoje tem mais de 700 cooperativas filiadas em todo o País.
Uma das ações aprovadas foi a construção de um coletivo de economia solidária, que aproxime ainda mais o Sindicato das discussões sobre o tema.
“O objetivo do negócio solidário é dar trabalho, renda, dignidade e trazer as pessoas para a formalidade. Como temos várias experiências positivas dos metalúrgicos do ABC na recuperação e gestão dessas fábricas, é hora de se aprofundar mais no assunto e fortalecer o debate”, afirmou Teonílio Monteiro, o Barba, diretor administrativo do Sindicato.
Ele acredita que no futuro a categoria possa construir uma alternativa aos bancos privados, baseada em experiências de cooperativas de crédito.
“Quem sabe não teríamos aí uma saída para os trabalhadores ao sistema financeiro brasileiro, com eles investindo e gerindo seus próprios recursos”, disse.
As plenárias temáticas continuam nesta terça-feira, a partir das 18h, na Sede, com o tema Educação, Qualificação Profissional e Formação Sindical.
Fonte: Site do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (www.smabc.org.br)

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM