Cadeia Solidária Binacional do PET tem ações intensificadas em mais uma etapa de trabalho

A Cadeia Solidária Binacional do PET deu mais um passo rumo ao desenvolvimento. O projeto reuniu autoridades, representantes de empreendimentos econômicos solidários e entidades durante os dias 25, 26 e 27 de janeiro nos estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Também esteve presente delegação uruguaia composta por sete pessoas, sendo duas integrantes do Inacoop (Instituto Nacional de Cooperativismo do Uruguai), três da Coopima (Cooperativa Industrial Maragata), um da FCPU (Federação das Cooperativas de Produção do Uruguai) e o coordenador de encadeamento do projeto Red Del Sur, Juan Pablo Perrachon.
A agenda teve início em Pará de Minas, onde está localizada a Coopertextil (Cooperativa de Produção Têxtil de Pará de Minas), que atua com a fibra e o fio do PET, estabelecida há 14 anos na região. A visita contou com as presenças da diretora de promoção do cooperativismo, Rosângela Caldeira Mendonça e do assessor, Alair Ferreira de Freitas, ambos do governo do Estado de Minas Gerais. Além de conhecerem a planta da cooperativa, foi realizado levantamento de procedimentos e custos para a cadeia.
Já no dia 26, o Palácio Piratini, em Porto Alegre, foi palco da posse do Cesol (Conselho Estadual de Economia Solidária). A solenidade foi presidida pelo governador Tarso Genro. O órgão terá a função de buscar o consenso em torno de políticas e ações destinadas ao fortalecimento da Economia Solidária, no Rio Grande do Sul. O Cesol ficará no âmbito da Sesampe (Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa).
Neste mesmo dia, o governador também assinou termo de compromisso com a Senaes (Secretaria Nacional de Economia Solidária) para instalação dos pólos industriais da Cadeia Solidária Binacional do PET. Quem também participou do ato foi o titular da Sesampe, Maurício Dziedricki. Ainda foi realizada visita em uma indústria, da cidade de São Vendelino, que transforma a garrafa PET em flakes, além do debate sobre a Incineração na Contra Mão da Sustentabilidade, no Mezanino da Usina do Gasômetro.
O último dia de agenda foi marcado com reunião de trabalho focada na Cadeia Solidária Binacional do PET, com o intuito de debater propostas e apresentar resultados. Entre os participantes estavam o economista Paul Singer, da Senais, Roberto Marinho, secretário adjunto da Senaes, o presidente da Inacoop, Juan Jose Sarachu e Maurício Dziedricki. Na seqüência, houve debate sobre a Crise Capitalista Mundial x Economia Solidária. Participaram o sociólogo Boaventura dos Santos, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campelo, o senador Eduardo Suplicy, a diretora do Difesol (Departamento de Incentivo e Fomento à Economia Solidária) da Sesampe, Nelsa Nespolo, Maurício Dziedricki e Paul Singer.
Durante os três dias de agenda a UNISOL Brasil esteve representada pelo assessor de relações internacionais, Victor Mellão e pelo conselheiro adjunto da UNISOL Brasil, Niro Roni Barrios.
Novas ações:
Já existem três centrais de cooperativas de reciclagem em três regiões do Rio Grande do Sul, são elas: a Coopetsinos, no Vale dos Sinos, a Concat, em Santa Cruz e a Coopetsul, em Pelotas e região, que reúnem um total de 32 empreendimentos. Outras duas centrais serão formadas em outras regiões do estado. O objetivo é que elas possam acessar os pólos industriais, onde o PET será transformado em flake.
Todo o grupo que participou das visitas neste mês se reunirá novamente entre os dias 16 e 17 de abril, em Porto Alegre.
Entenda como funciona a Cadeia Solidária Binacional do PET assistindo o vídeo abaixo.

[nggallery id=54]

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM