Publicado em Deixe um comentário

Sustentabilidade é o caminho para o desenvolvimento sustentável integrando empreendimentos solidários

Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai (de óculos escuros) falando em evento da Cadeia Binacional do PET.
Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai (de óculos escuros) falando em evento da Cadeia Binacional do PET.

A Cadeia Solidária Binacional do PET é um projeto sustentável,  e que tem ajudado a erradicar a extrema pobreza no Rio Grande do Sul. Nossa sociedade tem enfrentado graves problemas com o consumo desenfreado de produtos em embalagens de plástico,  pois as mesmas vão para os lixões, bueiros e rios, entupindo os fluxos de água,  córregos, lagoas, rios e mares,  destruindo a vida aquática e a drenagem das águas dentro das cidades.

O objetivo do projeto é a preservação do meio ambiente e a divulgação de todo o processo da cadeia de transformação do PET, desde a coleta até o desenvolvimento de um novo produto, evitando os problemas com a poluição. Cooperativas filiadas à Unisol fazem parte desta iniciativa.

Para isso, o processo, formado por vários empreendimentos da economia solidária,  como cooperativas e associações, atuam desde a coleta da garrafa PET, passando pela transformação da PET em flake,  fibra, fio, tecido até a confecção e o artesanato. Dessa forma, contempla o desenvolvimento sustentável com a distribuição de renda gerada de forma justa. Simultaneamente ao projeto, acontecem as campanhas de consciência e preservação junto às redes comerciais e os consumidores.

O principal desafio desta cadeia é transformar os diversos resíduos reciclados em novos produtos,  trabalhando com as centrais organizadas.

Etapas da cadeia do PET

A cadeia do PET abrange as seguintes etapas: as cooperativas e associações de catadores gaúchas realizam coleta, reciclagem e prensagem das garrafas PET; centrais de reciclagem instaladas nas cidades-polo, transformam o PET em flake, por meio de equipamentos com capacidade para 850 Kg/h; o flake é enviado para a Coopima, em San José (Uruguai) e processado em fibra sintética; a Coopertêxtil, em Pará de Minas (Minas Gerais), fará o processo de fiação e tecelagem, transformando a fibra em tecido; no Rio Grande do Sul, cooperativas de costureiras confeccionarão peças de roupas, calçados, sacolas, produtos de cama e mesa, entre outros artigos fruto de cadeia produtiva sustentável.

Fazem parte da cadeia o polo de produção da COMCAT,  em Santa Cruz (RS),  da Coopetsinos,  de Canoas (RS) da Coopetsul, de Jaguarão (RS), da Coopetsinos, de Novo Hamburgo (RS) e da Coopernorte, Passo Fundo (RS).

E a iniciativa resulta da articulação do departamento do Incentivo e Fomento da Economia Solidária com a Secretaria Nacional da Economia Solidária (Senaes/MTE); INACOOP; e do Governo do Uruguai, junto com as organizações: Red del Sur, Fórum de Catadores do Vale dos Sinos, Movimento Nacional dos Catadores, Unisol Brasil, Caminho das Águas,  Planeta Vivo e várias ONGs e universidades brasileiras.

Os municípios que abrigam os Polos, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, o Governo Federal do Brasil e o Governo do Uruguai acreditam e apoiam esta iniciativa,  investindo recursos. Em setembro deste ano o ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica, esteve no estado do Rio Grande do Sul para conhecer as ações do projeto.

Publicado em Deixe um comentário

Reunião discute Cadeia Binacional do PET

Sesampe

A Cadeia Solidária Binacional do PET dá mais um passo rumo à implantação. Formada por empreendimentos da Economia Solidária do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e do Uruguai, o projeto tem como objetivo formar uma cadeia produtiva de reciclagem de garrafas PET.
Na última terça-feira (6), em Porto Alegre (RS), os secretários estaduais Jorge Branco, do Gabinete de Prefeitos, e Carlos Luiz Rohr, da Economia Solidária, se reuniram para discutir o andamento do projeto. Na ocasião, Branco ressaltou o trabalho de articulação realizado pelas administrações municipais e as cooperativas.
Atualmente, o projeto se encontra na fase de construção de galpões. O governo federal, por meio do Ministério do Trabalho, se comprometeu a fornecer recursos para a compra de máquinas para a flocagem do PET, o que irá permitir a reutilização da matéria-prima.
Serão beneficiados aproximadamente 40 mil catadores e retirados de circulação mensalmente cerca de um milhão de garrafas PET.
Com informações da Sesampe