Unisol está presente na 3ª Cúpula das Cooperativas das Américas em Cartagena, Colômbia

Arildo Mota Cooperativa das Americas

Arildo Mota fazendo palestra sobre Economia Solidária durante o evento


Neste mês de novembro, entre os dias 02 e 07, acontece a 3ª Cúpula das Cooperativas das Américas, em Cartagena, Colômbia. Nesta ocasião, também, acontece a 2ª Assembléia Geral Ordinária da CICOPA Américas, comemorando o terceiro ano de seu renascimento. É um momento de avaliação e de síntese, mas especialmente de redobrar o compromisso com o papel ativo das cooperativas neste mundo globalizado para um desenvolvimento verdadeiramente sustentável. Arildo Mota, presidente da CICOPA Américas, acompanha o evento e fez uma palestra na terça-feira, 04/11, sobre Economia Solidária, durante o Seminário da CICOPA que ocorre dentro da Cúpula.
No dia 6 de novembro, no âmbito das atividades da Cúpula, será realizada a Assembleia Geral da Aliança e a eleição para presidente e vice-presidentes da organização ACI-Américas. Além da eleição para presidente, a assembleia escolherá o novo presidente do escritório regional americano da Organização Internacional das Cooperativas de Trabalho, Industriais, Artesanais e de Produção (CICOPA), organismo setorial da ACI-Américas.

Para esta ocasião, a Cooperativa Américas propôs uma série de questões que estão incluídas no slogan da Cúpula: “Através de uma integração para gerar mudança social.” Com base em quatro áreas principais, o organizador promoveu a geração de ideias que representam as instituições para uma reflexão nacional, incluindo também as várias entidades setoriais que existem no continente. Assim, assumindo o desafio, pretende incentivar as iniciativas que a CICOPA têm desenvolvido nos últimos anos, quando esta contribuiu no projeto de documento para a cúpula, que foi melhorado durante as cooperativas de trabalho e oficinas organizadas em 20 de Agosto, no âmbito da reunião do Conselho de Cooperativas das Américas, na Argentina.
As contribuições para a 3ª Cúpula das Américas a Cooperativa estão divididas em duas seções principais. A primeira parte resume o diagnóstico da situação histórica em que se encontra o planeta e a humanidade, bem como a necessidade urgente de uma crítica pró-ativa para enfrentar os assustadores desafios que as cooperativas de todo o mundo se deparam. A segunda parte está organizada de acordo com os quatro temas que estruturam a Cúpula de Cartagena: (1) a integração ea coesão social; (2) a inovação para a transformação social; (3) o crescimento, internacionalização e identidade; e (4) novas e potenciais sociedades cooperativas.
Em geral, o diagnóstico é de que as cooperativas de trabalhadores nas Américas tem a necessidade urgente de uma ação mais decidida pelas cooperativas em todo o mundo,  numa escala planetária de valores e princípios, mas especialmente a prática democrática e social. Ele aponta para a realidade escandalosa da crescente concentração de riqueza, em uma fase onde a mesma teve crescimento de 68% ao longo dos últimos 10 anos, enquanto existem mais de quatro bilhões de seres humanos que sobrevivem com menos de dois dólares por dia (PNUD ), e o 1% mais rico tem quase metade da riqueza global.
As lideranças da ACI-Américas e da CICOPA chamam a atenção: “Esse modelo em que o crescimento mais elevado faz uma maior concentração da riqueza e da multiplicação da pobreza, onde aumentou a produção de alimentos entretanto temos mais pessoas com desnutrição, só pode ser explicado pela predominância de um modelo político, econômico, social e cultural bastante injusto e baseado na exploração”.
A CICOPA Américas defende a união continental como proposta para a mudança do modelo hegemônico mundial: “A cooperativa e nossas organizações são uma parte essencial do processo. É preciso resistir, a partir de territórios, à voracidade do capital, através da criação de uma alternativa econômica. Mas até agora temos sido, de alguma forma, uma espécie de ambulância que pegou o capitalismo ferido, crescendo em ambientes por vezes hostis, e pensando em formatos de uma economia mais democrática e de serviços para as pessoas. “. Cooperativas no mundo têm a responsabilidade de mostrar ao mundo que não são um negócio convencional e sim uma alternativa econômica de potencial sistêmico que pode mudar o mundo.
Mas essa ação transformadora não pode surgir num sentido ‘ingênuo’, para tomar decisões e desenvolver apenas declarações bonitas. É um processo de luta pelo poder entre os que apoiam a lógica hegemônica e são altamente beneficiados com a sua expansão, e aqueles que buscam uma alternativa mais democrática solidariedade global. A espinha dorsal da estratégia é a construção de uma ‘Densidade Solidária’. Ela ocorre em três dimensões: 1) a integração da militância, 2) integração política institucional e 3) a integração econômica.
Entre outros elementos, a CICOPA Américas tem como objetivo dar maior austeridade aos eventos do próprio movimento, priorizando a participação ativa da base de cooperativas, especialmente aquelas organizações mais fracas e evitar a dupla identidade dessas cooperativas que operam no exterior, como ocorre com as corporações.
Fontes: ACI-Américas e CICOPA.

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM