Unisol RS luta pela continuidade das ações de política pública da Ecosol pelo Governo do Estado do RS

Unisol RS Retomada da ES no RS por Mauribel Kauffmann

Apresentação de pautas da Ecosol pela Unisol RS e parceiros. Crédito: Mauribel Kauffmann


Com um histórico de luta e realizações no Estado, a Unisol do Rio Grande do Sul – Unisol RS – esteve presente no dia 29 de julho, representada por Nelsa Nespolo e Maribel Kauffmann, na reunião da Sub Comissão de Economia Solidária, na Assembléia Legislativa do Estado do RS. Também presentes, o Fórum Gaúcho de Economia Popular Solidária e representantes do Conselho Estadual de Economia Solidária reforçaram as reivindicações.
A partir da dificuldade de diálogo com o atual Governo, que paralisou todas as ações de Economia Solidária (ES), o movimento articulou em conjunto com a bancada do PT, na Assembléia Legislativa, a criação da Sub Comissão de Economia Solidária, na Comissão de Economia, Desenvolvimento Sustentável e Turismo. Esta estratégia dará a oportunidade de realização de audiências públicas regionais e da estadual, onde a pauta central será a demanda pela continuidade das política públicas, dando visibilidade ao movimento de ES.
Na pauta, foi discutida a organização das audiências públicas nas regiões Sul, Fronteira Oeste, Serra, Litoral Norte, Metropolitano e Vale do Sinos, todas no RS. E também o cronograma das reuniões técnicas da sub comissão com o Conselho Estadual de Economia Solidária e o Fórum Gaúcho de Economia Popular Solidária, a Secretaria do Trabalho Desenvolvimento Social, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, a Fundação Banco do Brasil, a Petrobras, o Banco do Brasil, o Banrisul e o BNDES.
A Unisol RS avalia a situação como crítica, e que precisa do esforço e o empenho de todos os atores da economia solidária do RS para que estas pautas sejam ouvidas e atendidas pelo atual Governo Estadual.
Mais abaixo, você acompanha algumas das pautas, ações e resultados importantes na qual a Unisol RS esteve e/ou está envolvida:
Univens e equipe em frente à sede

Equipe da Univens, cooperativa parte da cadeia Justa Trama, em frente à sede atual. Crédito: Unisol RS.


Construção da sede da Cooperativa Justa Trama – o local está previsto para inaugurar ainda em 2016.  A Cooperativa Central Justa Trama é uma cadeia produtiva, a qual seu processo se inicia no plantio do algodão agroecológico. E vai até comercialização de peças de confecção produzidas com este insumo. É filiada da Unisol Brasil.

Os empreendimentos que fazem parte da cadeia produtiva trabalham nos preceitos da economia solidária e do comércio justo (fair trade).  São cerca de 700 trabalhadores em cinco estados do Brasil, homens e mulheres, agricultores, coletores de sementes, fiadoras, tecedores e costureiras.

A Justa Trama começou a sua história no formato de cadeia produtiva em 2004, com o desafio de produzir sessenta mil bolsas para serem distribuídas durante o Fórum Social Mundial, que seria sediado em Porto Alegre, em 2005. Naquele momento participaram da produção das sacolas a Cooperativa Nova Esperança (Cones) de Nova Odessa – SP, empreendimento responsável para fiação e a Cooperativa de Trabalhadores na Fiação (Textilcooper) de Santo André – SP, na tecelagem. A confecção das peças ficaram por conta da Univens, sediada em Porto Alegre (RS) e da Fio Nobre. Devido ao volume de produção, foram chamados mais 30 empreendimentos de economia solidária para participar do trabalho.
Após o evento, foi possível perceber, por parte dos envolvidos, a viabilidade da cadeia. Para que todo o processo produtivo fosse feito por empreendimentos de ES, foram convidadas a participar dela a Associação de Desenvolvimento Educacional e Cultural de Tauá (ADEC), do Ceará e a Cooperativa de Trabalho dos Artesãos do Estado de Rondônia (Açaí) que produz biojoias com sementes da Amazônia, além de fornecer para a Justa Trama botões e sementes que são utilizadas na ornamentação das peças de vestuário.
De lá pra houve algumas mudanças na composição da cadeia. Hoje a Justa Trama compreende seis cooperativas e uma associação. Estes empreendimentos ficam em seis estados do Brasil, o que propícia uma troca rica em experiências e desenvolvimento para os envolvidos.
CADEIA BINACIONAL DO PET –  Pauta aqui em matérias anteriores, no site da Unisol Brasil, tem três centrais regularizadas: Região Sul – CoopeteSUL, Região Metropolitana e Vale dos Sinos – COOPETSINOS, e Região do Vale do Rio Pardo – COMCAT. E conta com uma infraestrutura em Santa Cruz (RS) e Novo Hamburgo (RS). A cadeia tem uma coordenação com representante de cada elo e está sendo apresentada em cidades, estados e países, sempre focada na articulação e na perspectiva de vida dos catadores.
Além disso, foi realizado o estudo de custo da embalagem pet na parceria com a Rede Del Sur, bem como foi realizado o levantamento de mercado da fibra na parceria com a cooperativa Inacoop, no Uruguai. Soma-se a isso o estudo de viabilidade econômica realizado pelo Sebrae RS. Durante 2013 e 2014, a cadeia teve todo o processo de produção funcionando, saindo do RS, indo para o Uruguai e finalmente, para Minas Gerais.
Palestras e eventos locais e nacionais – levando os conceitos da Economia Solidária para a sociedade.

Palestra p a turma 7A da Pedagogia IFRS POA. Credito Claudete Souza

Alunas na palestra de Nelsa Nespolo para a turma do 7º ano de Pedagogia do Instituto Federal do RS.Crédito: Claudete Souza


 
 

Publicar um comentário

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM